Mundo

Três jornalistas mortas por pistoleiros na América do Afeganistão dizem punir os culpados | EUA furiosos com a morte de 3 funcionários da mídia no Afeganistão, disse

3 jornalistas foram brutalmente mortos no Afeganistão. (Imagem simbólica)

3 jornalistas mulheres mortas no Afeganistão: no país devastado pela guerra, tem havido casos crescentes de pessoas sendo alvejadas e assassinadas. As três pessoas da mídia foram cremadas na quarta-feira.

Cabul. A organização terrorista Estado Islâmico (EI) assumiu a responsabilidade pela morte de três mulheres que trabalhavam para uma estação de rádio e TV local no leste do Afeganistão. O IS assumiu a responsabilidade por esses ataques na noite de terça-feira, enquanto o governo afegão culpou o Taleban por esses ataques. Ao mesmo tempo, com a morte dessas pessoas da mídia, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse: “Queremos que a sentença aberta a esses assassinatos hediondos acabe com a possibilidade de absolvição dos culpados por meio de uma investigação transparente”. Apelamos ao governo para proteger a liberdade de imprensa e jornalistas.

No país dilacerado pela guerra, tem havido casos crescentes de pessoas sendo alvejadas e assassinadas. As três pessoas da mídia foram cremadas na quarta-feira. O editor de notícias do canal privado e funcionários da província de Nangarhar disseram que as mulheres foram baleadas em diferentes lugares. Autoridades afegãs disseram que a polícia prendeu os suspeitos do assassinato dos três, identificados como Qari Basar. A polícia disse que Basar é um terrorista do Taleban, mas o porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, negou a afirmação.

O chefe da polícia de Nangarhar, general Zuma Gul Hemat, disse que Basar instalou um silenciador na pistola usada nos ataques. Ele foi preso pela polícia de Jalalabad logo após os ataques. O IS disse que essas jornalistas eram alvos porque trabalhavam em uma das ’emissoras de mídia leais do governo afegão que renunciou à religião’.

Este não é o primeiro ataque a mulheres que trabalham no rádio e na TV Enikas. Em dezembro, o IS também assumiu a responsabilidade pelo assassinato da trabalhadora Malala Maiwand que trabalhava nesta delegacia. O presidente afegão Ashraf Ghani condenou os ataques na terça-feira. No Afeganistão, 15 jornalistas foram assassinados nos últimos seis meses. Shikarullah Pasoon, editor de notícias da Rádio e TV Enikas, disse que Marussal Waheedi, que trabalha em sua estação, estava sendo atacado por homens armados enquanto ia para sua casa. Ela disse que duas outras pessoas da mídia, Shahnaz e Saadia, também foram atacadas em outro lugar enquanto voltavam do local de trabalho para casa.

Close